VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 400-408

Soroprevalência e pesquisa de oocistos de Toxoplasma gondii em felídeos selvagens procedentes do estado do Pará, Brasil

Silva, Carolina CostaMeneses, André Marcelo ConceiçãoMoraes, Carla Cristina Guimarães deCarmo, Ediclei Lima doLangoni, HélioSilva, Rodrigo Costa daPancieri, Helena Muta HottaMartins, Bruno RochaSouza, Nazaré Fonseca de

A toxoplasmose, uma das zoonoses mais difundidas no mundo, causada pelo protozoário intracelular Toxoplasma gondii, é capaz de infectar inúmeras espécies animais, dentre as quais os felídeos, que são os hospedeiros definitivos. O objetivo deste estudo foi determinar a soropositividade da toxoplasmose em felídeos silvestres mantidos em cativeiro em Capitão Poço e Belém, Pará. Foram pesquisadas 21 amostras de soro de quatro espécies de felídeos selvagens: Herpailurus yaguarondi (2) (gato-mourisco), Leopardus pardalis (7) (jaguatirica), L. wiedii (1) (gato-maracajá) e Panthera onca (11) (onça-pintada e preta) pelos métodos sorológicos de hemaglutinação indireta (HAI) e aglutinação direta modificada (MAT). Além da sorologia, foram realizados também exames coproparasitológicos para a pesquisa de oocistos. Das amostras analisadas, 18 (85,7%) foram positivas, sendo 12 amostras (57,1%) soropositivas pela técnica HAI e 14 amostras (66,7%) pela MAT. A concordância entre as duas técnicas foi nula. No gênero Herpailurus um dos animais foi negativo para a HAI e positivos para a técnica MAT e o outro positivo para HAI e negativo para MAT. Para o gênero Leopardus, 50% (4 de 8) de positivos na HAI e 75% (6/8) na MAT e Panthera, 63,64% (7 de 11) nas duas técnicas. A titulação mais alta foi verificada em um gato-maracajá (1024), na MAT. [...](AU)

Texto completo