VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

Distribuição de Siluriformes em um rio sob influência de uma Pequena Central Hidrelétrica da Bacia do Rio Paraná, Brasil

Garcia, Thiago DOta, Renata RFerreira, Dhiego GNascimento, Raul H. CGalindo, Bruno APereira, Larissa SZanatta, Augusto S

Quando uma barragem é construída, seus impactos diferem de acordo com a distância relativa da barragem, sendo que os locais mais próximos da barragem são mais afetados que os mais distantes. O barramento de um rio resulta em modificações no fluxo do rio e características da paisagem, modificando sua dinâmica hidrológica, limnológica e ecológica, como produção biológica, distribuição de espécies e estruturação do ecossistema e suas funções. O padrão de distribuição de Siluriformes (bagres) no rio Jaguariaíva foi avaliado, considerando três distâncias da barragem: montante, reservatório e jusante. As amostragens foram realizadas em três regiões distintas do rio Jaguariaíva considerando a distância em relação à barragem, entre março de 2013 e dezembro de 2014, com redes de espera, e as distintas zonas originadas pelo represamento do rio. A abundância e riqueza de espécies foram avaliadas. Um total de 840 indivíduos de Siluriformes foi capturado, distribuídos em dez espécies e quatro famílias. A maior riqueza foi observada na região a jusante do reservatório, enquanto a menor foi verificada na região da barragem. Diferenças significativas na abundância das espécies entre as três regiões foram observadas; a região a jusante do reservatório apresentou a maior abundância (CPUE), enquanto a menor abundância foi observada na região do reservatório. Hypostomus paulinus e Hypostomus strigaticeps foram abundantes e exclusivamente amostrados na região a jusante do reservatório, enquanto Corydoras ehrhardti e Cambeva diabola apresentaram maiores abundâncias na região a montante do reservatório. A distribuição longitudinal de Siluriformes observada pode ser interpretada como um efeito negativo do represamento. Resultados obtidos indicam que os impactos negativos na ictiofauna, consequentes da construção de pequenas barragens podem ser comparáveis aos impactos originados pela construção de grandes barragens. É necessário avaliar os impactos da construção de pequenas barragens na região Neotropical, pois pouco se sabe acerca desses impactos e como estes são comparáveis a grandes reservatórios.(AU)

Texto completo