VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

Staphylococcal slime layers and biofilm from different origins

Cunha, Rodrigo CasqueroRosa, Michelle Dias Hornes daSilva, Cleomar daSantos, Francisco Denis SouzaLeite, Fábio Pereira Leivas

RESUMO: O gênero Staphylococcus abrange algumas das bactérias patogênicas mais importantes tanto para humanos como para animais. Ele é responsável pela mastite bovina e otite canina, além de estar presente na microbiota de animais e como contaminante em alimentos. Sua patogênese está relacionada à formação de cápsula e biofilme, que contribuem para sua infectividade. O objetivo deste estudo foi observar a produção de slime layer e a formação de biofilme, que estão relacionados à resistência a antibicrobianos e à presença dos genes icaA e icaD, em 41 isolados de Staphylococcus spp. de diferentes origens fornecidos pelo Laboratório Regional de Diagnóstico (LRD) da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL). Os isolados de Staphylococcus spp. foram cultivados em ágar vermelho do Congo para detecção de cápsulas. A formação de biofilme foi detectada usando o teste de microplaca com 96 poços. O teste de susceptibilidade antimicrobiana foi realizado usando o método de difusão em placa. Parte das amostras analisadas produziram slime layer (36,6%) e formaram biofilme (17,1%). Entretanto, seis daquelas que formaram biofilmes foram sensíveis aos oito antibióticos testados no antibiograma. Em testes para determinar as concentrações bactericidas e inibitórias mínimas, a resistência à gentamicina de cepas formadoras de biofilme foi maior que aquela das cepas não formadoras. O antimicrobiano menos eficaz foi a ampicilina (51%), seguida por tetraciclina (71%), neomicina (73%) e eritromicina (73%). Alguns isolados apresentaram os genes icaA (6) e icaD (11). Portanto, sugerimos que a origem de um isolado pode determinar sua expressão de fator de virulência e resistência a certos antibióticos.

Texto completo