VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

Suscetibilidade de duas Gramas-boiadeiras a diferentes formulações de glyphosate

Scherner, AnandaAntonio de Avila, LuisSchreiber, FábioDiehl Kruse, NelsonAgostinetto, DirceuJuares Oliveira Pinto, JesusRibeiro Pestana, Rodrigo

A utilização do herbicida glyphosate para o controle químico das espécies de gramas-boiadeiras nas lavouras orizícolas não tem se mostrado eficiente. Nesse contexto, a investigação do controle dessas espécies com o glyphosate torna-se de fundamental importância, uma vez que não estão disponíveis no mercado herbicidas seletivos para o controle dessas em pós-emergência na cultura do arroz irrigado. Em vista do exposto, o objetivo do presente estudo foi avaliar a suscetibilidade das gramas-boiadeiras a diferentes formulações de glyphosate. Foram conduzidos dois experimentos em casa de vegetação em esquema fatorial. No primeiro experimento, o fator A constituiu-se de duas formulações de glyphosate (sal potássico e isopropilamina) e o fator B de nove doses dos herbicidas (zero; 175; 350; 700; 1400; 2800; 5600; 11200; 22400g e.a. ha-1). No segundo experimento, o fator A constituiu-se de duas espécies de gramas-boiadeiras (Leersia hexandra e Luziola peruviana), o fator B de três formulações do glyphosate (sal amônio, potássico e isopropilamina) e o fator C de nove doses dos herbicidas (zero; 87,5; 175; 350; 700; 1400; 2800; 5600; 11200g e.a. ha-1). Com base nos resultados obtidos, foi possível observar que as espécies apresentaram diferença de suscetibilidade ao herbicida glyphosate. Além disso, Leersia hexandra foi mais sensível em comparação a Luziola peruviana. As formulações de glyphosate influenciaram na suscetibilidade das espécies ao controle, sendo que, Roundup Transorb R® e Roundup Ultra® proporcionam melhor controle das espécies de gramas-boiadeiras.

Texto completo