VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 1363-1367

Resistência de helmintos gastrintestinais de bovinos a anti-helmínticos no Planalto Catarinense

Souza, Antonio Pereira deRamos, César ItaquiBellato, ValdomiroSartor, Amélia AparecidaSchelbauer, Crisciane Aparecida

Com o objetivo de avaliar focos de resistência de helmintos gastrintestinais parasitos de bovinos, com aptidão para corte, à ivermectina, ao fosfato de levamisole e ao sulfóxido de albendazole foram realizadas avaliações em 39 propriedades localizadas no Planalto Catarinense. Em cada uma foram coletadas, em média, 60 amostras de fezes de animais, com idade entre sete e 18 meses, para avaliar o número de ovos por grama de fezes (OPG), o cultivo e a identificação de larvas. Foram formados três grupos de animais com média de OPG semelhante. A média de OPG de todos os animais coletados, antes do tratamento, foi considerada como testemunha. Cada grupo recebeu um tratamento diferente por via subcutânea (ivermectina na dose de 0,2mg kg-1, fosfato de levamisole na dose de 5mg kg-1 e sulfóxido de albendazole na dose de 2,5mg kg-1). Sete dias após foram repetidas as avaliações por grupo. Considerou-se resistência quando a eficácia da droga foi menor que 95 por cento e o limite inferior do intervalo de confiança IC95 por cento menor que 90 por cento. Entre as propriedades avaliadas, 82,1 por cento apresentaram animais com helmintos resistentes à ivermectina, 15,4 por cento ao fosfato de levamisole e 7,8 por cento ao sulfóxido de albendazole. Em apenas 10,3 por cento das propriedades, a eficácia de todos os anti-helmínticos foi superior a 95 por cento. Com base no diagnóstico genérico, verificou-se que os gêneros predominantes resistentes à ivermectina foram Cooperia spp e Haemonchus spp, ao fosfato de levamisole, Ostertagia spp, Cooperia spp e Trichostrongylus spp, e ao sulfóxido de albendazole, Cooperia spp.(AU)

Texto completo