VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

Seletividade de inseticidas a alguns dos inimigos naturais na cultura do algodão

Diamantino, Elizio PereiraCastellani, Maria AparecidaForti, Luiz CarlosMoreira, Aldenise AlvesJosé, Alcebíades Rebouças SãoMacedo, Juliana Alves deOliveira, Fabiano de SousaSilva, Bruna Santos

O objetivo foi estudar a seletividade de inseticidas aos inimigos naturais na cultura do algodão (Gossypium hirsutum L.r. latifoliumHurtch), cultivar DeltaOpal, no município de Malhada (BA) e conhecer a fauna benéfica associada. O trabalho foi conduzido na safra 2010/2011, com delineamento experimental em blocos ao acaso, com seis tratamentos e quatro repetições, sendo os tratamentos: (1) Fipronil 200 SC (0,38 L.ha-1); (2) Alfacipermetrina 100 SC (0,30 L.ha-1); (3) Lufenuron 50 CE (0,30 L.ha-1); (4) Imidacloprid 200 SC (0,30 L.ha-1); (5) Paration Metil 600 CE (1,00 L.ha-1); e (6) Testemunha (água). A aplicação dos produtos foi feita 80 dias após a emergência, com avaliações um dia antes da aplicação e 1, 7 e 14 dias após a aplicação (DAA) por meio do pano de batida e armadilha Moericke. Em laboratório, os insetos foram triados, contados e identificados em famílias. A toxicidade dos produtos varia em função do grupo do inimigo natural. A Imidacloprida é seletiva às aranhas, sendo os demais inseticidas medianamente tóxicos (Alfacipermetrina e Paration Metil: 1º e 14º DAA; Lufenuron: 14º DAA) ou tóxicos (Fipronil e Alfacipermetrina: 7º DAA). Fipronil (1º DAA), Alfacipermetrina (7º DAA) e Paration Metil (14º DAA) são medianamente tóxicos aos adultos de joaninhas. Os inseticidas estudados são tóxicos às larvas de joaninhas, com mais impacto até os sete dias após a aplicação, com exceção do Paration Metil, classificado como inócuo até esse período. Registra-se a ocorrência de 13 famílias de aranhas e 18 famílias de hymenópteros parasitoides em agroecossistema de algodão na região de Malhada (BA).

Texto completo