VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 101-105

Fatores de risco para mastite infecciosa em cabras leiteiras criadas no Estado da Bahia

Peixoto, R. MAmanso, E. SCavalcante, M. BAzevedo, S. SPinheiro Junior, J. WMota, R. ACosta, M. M

Objetivou-se neste estudo identificar os fatores de risco associados à mastite infecciosa caprina no sertão do Estado da Bahia. Foram visitadas 13 propriedades, totalizando 320 cabras em lactação e 640 metades mamárias. Amostras de leite foram coletadas após prévia antissepsia do teto e processadas utilizando-se as técnicas convencionais para o isolamento e identificação dos micro-organismos. Para o estudo dos fatores de risco foram aplicados questionários com perguntas referentes ao manejo sanitário dos rebanhos. A análise de fatores de risco foi efetuada em duas etapas: análise univariada e multivariada. A frequência de animais positivos para o exame microbiológico do leite foi de 29,06% (93/320), sendo que o percentual de amostras positivas foi de 18,44% (118/640). Foram isolados 118 micro-organismos, sendo o gênero Staphylococcus o mais frequente. Na análise univariada para fator de risco, quanto à variável assistência veterinária, os caprinos de propriedades sem assistência veterinária apresentaram maiores frequências de positividade para a mastite. Para a variável local de ordenha, observou-se que a positividade para a mastite foi menor quando se realizava a ordenha em plataforma. Na análise multivariada, observou-se que a predominância de animais mestiços constitui fator de risco para mastite (OR = 1,907; p = 0,010). Faz-se necessária a difusão de tecnologias direcionadas para melhoria das condições de higiene da ordenha, ambiente e do próprio ordenhador, objetivando a redução dos índices da mastite infecciosa nos rebanhos e consequentemente a garantia da qualidade sanitária dos produtos obtidos a partir do leite de cabra produzido em pequenas propriedades rurais. (AU)

Texto completo