VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 171-176

Degrabilidade in situ da matéria seca e fração fibrosa da silagem de sorgo

Costa, Renê FerreiraPires, Daniel Ananias de AssisMoura, Marielly Maria AlmeidaRodrigues, José Avelino SantosRocha Júnior, Vicente RibeiroTolentino, Daniella Cangussú

Objetivou-se avaliar a degradabilidade in situ e a cinética de degradação da MS, FDN e FDA das silagens, com presença e ausência de tanino nos grãos. Foram utilizadas, duas linhagens isogênicas de sorgo granífero (CMS-XS 114 com tanino e CMS-XS 165 sem tanino) e dois híbridos de sorgo (BR-700 duplo propósito com tanino e BR-601 forrageiro sem tanino). Amostras de silagens secas e moídas foram colocadas em sacos de náilon e introduzidas nas fístulas dos bovinos. Após períodos de incubação de 6, 12, 24, 48, 72 e 96 h, os sacos foram removidos para análises posteriores das frações fibrosas. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com quatro repetições e quatro tratamentos e as médias comparadas pelo teste de Tukey em nível de 5% de significância. Quanto à taxa de degradação da MS, a silagem da linhagem CM-SXS 165 sem tanino foi superior. As silagens dos genótipos BR 700 e CMS-XS 114 com tanino apresentaram os maiores valores de fração indigestível da fração FDA (59,54 e 43,09%). Para a FDN, observou-se que o potencial de degradação da silagem da linhagem CMS-XS 165 sem tanino foi superior. A presença do tanino pode reduzir a degradabilidade ruminal, da matéria seca e das frações fibrosas.(AU)

Texto completo