VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 311-319

Condicionamento térmico na primeira semana sobre o desempenho, morfometria cardíaca e rendimento de carcaça de frangos submetidos ao estresse por calor

Fernandes, Jovanir Inês MüllerScapini, Lidiane BoaretoGottardo, Elisangela ThaísaBurin Junior, Alvaro MárioMarques, Felipe Eduardo dos SantosGruchouskei, Leonardo

Este estudo objetivou avaliar a influência do condicionamento térmico durante a primeira semana de vida, e verificar o efeito após o desafio por calor até o final do período de produção sobre o desempenho, morfologia cardíaca e rendimento de carcaça. Um total de 980 pintos de corte, Ross, machos, foi alocado aleatoriamente de acordo com um delineamento inteiramente casualizado com quatro tratamentos e oito repetições totalizando 32 unidades experimentais. Os tratamentos consistiram em diferentes temperaturas de criação na primeira semana: temperatura de conforto térmico, temperatura baixa, temperatura alta, oscilação térmica. Aos 35 dias de idade, quatro repetições de cada tratamento foram submetidas ou não ao estresse por calor na última semana de criação (27 e 32°C). As aves submetidas ao condicionamento térmico na primeira semana de vida não apresentaram adaptação ao calor capaz de incrementar características produtivas e de carcaça, quando submetidas a estresse crônico por calor durante a fase final de criação. Transtornos metabólicos como a síndrome ascítica e a síndrome morte súbita podem ocorrer tanto em aves criadas acima da temperatura de conforto térmico na primeira semana, quanto àquelas submetidas a estresse por calor a partir dos 35 dias de idade, visto a redução das medidas cardíacas observadas.(AU)

Texto completo