VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 39-44

Utilização da elódea (Egeria densa) na alimentação de suínos

Dutra Júnior, Wilson MoreiraCarvalho, Deorlanda Maria da SilvaRabello, Carlos Bôa-ViagemLudke, Maria do Carmo Mohaupt MarquesAlmeida, Gustavo Henrique Novaes deLima, Stelio Bezerra Pinheiro

O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho zootécnico, o rendimento de carcaça e a viabilidade econômica da inclusão da elódea brasileira (Egeria densa) em rações para suínos nas fases de crescimento e terminação. Foram utilizadas 32 fêmeas suínas, linhagem comercial Dalland C-40, com peso vivo inicial de 23 ± 1,05 kg, distribuídos em delineamento inteiramente ao acaso. Os tratamentos experimentais consistiram de quatro rações isoenergéticas e isoproteicas com níveis crescentes de inclusão da elódea (0, 5, 10 e 15%). A inclusão da elódea influenciou de forma quadrática o consumo de ração, reduziu linearmente o ganho de peso médio diário e aumentou linearmente a conversão alimentar. O peso de carcaça quente o rendimento de carcaça e a espessura de toucinho apresentaram comportamento linear decrescente. A ingestão de cádmio não provocou toxidez nos animais e nem afetou a sua concentração no fígado e rins. A viabilidade econômica em função do peso vivo e do peso da carcaça quente apresentou comportamento quadrático. Conclui-se que a inclusão de elódea representou piora na conversão alimentar e no ganho de peso, porém economicamente é viável incluí-la até 6,5% na ração de fêmeas suínas nas fases de crescimento e terminação.(AU)

Texto completo