VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 435-442

Degradação ruminal da silagem de milho e da palha de arroz utilizando enzimas fibrolíticas exógenas

Martins, Adriana de SouzaVieira, Paulo de FigueiredoBerchielli, Telma TeresinhaPrado, Ivanor Nunes do

Estudou-se o efeito da adição de enzimas fibrolíticas (celulase e xilanase) sobre a degradabilidade in situ da matéria seca (MS), proteína bruta (PB), fibra em detergente neutro (FDN), fibra em detergente ácido (FDA) e hemicelulose da silagem de milho (SM) e da palha de arroz (PA), utilizando seis bovinos fistulados no rúmen. Também foi avaliada a proporção de nitrogênio (N) insolúvel em detergente ácido em relação ao N total (NIDA/N total). As enzimas fibrolíticas foram extraídas dos fungos Aspergillus niger e Trichoderma longibrachiatum, sendo fornecido 0,75 g kg-1 de MS animal-1 dia-1, via cânula ruminal. Os tempos de incubação foram: 0, 3, 6, 12, 24, 48, 72 e 96 h. Os resíduos de incubação foram comparados por meio da microscopia eletrônica de varredura (MEV). A fração solúvel da MS e da PB da silagem de milho aumentou com a adição de enzimas fibrolíticas. Não houve efeito das enzimas sobre a degradação da parede celular dos volumosos. A adição de enzimas não alterou o teor de NIDA/N total da silagem de milho, porém aumentou esta proporção nos resíduos da palha de arroz incubados durante 12 e 48 h. As observações ao MEV indicaram aumento da colonização bacteriana sobre a parede celular dos volumosos, mas sem efeito sobre a degradação ruminal. (AU)

Texto completo