VETINDEX

Periódicos Brasileiros em Medicina Veterinária e Zootecnia

p. 1-7

Sobrevivência de espermatozoides de catetos (Pecari tajacu) após congelação-descongelação no uso de diferentes diluentes

Batista Campos, Líviade Araújo da Silva, MarianaArtur Brilhante Bezerra, Joséde Souza Castelo, ThibérioChristianne Xavier Peixoto, GislayneRodrigues Silva, Alexandre

Embora a população de catetos (Pecari tajacu) seja considerada mundialmente estável [14], eles encontram-se sob ameaça na Mata Atlântica e Caatinga [13]. O desenvolvimento de protocolos de criopreserva- ção de sêmen contribuiria para sua preservação e multiplicação em cativeiro. Tais protocolos devem garantir a sobrevivência espermática após descongelação [11], e sua viabilidade no trato reprodutivo da fêmea [21]. Em suínos, filogeneticamente próximos aos catetos [6], o sêmen descongelado tem apresentado baixos valores de motilidade nos testes de termorresistência [3,18,28]. Em catetos, estudos de criopreservação espermática em diluentes à base de Tris [5] ou água de coco - ACP-116c® [23] limitam-se à avaliação imediata pós-descongelação, sendo desconhecido o tempo de sobrevivência espermática. Esta informação permitiria uma melhor programação do tempo de uso da dose inseminante, fornecendo direcionamento sobre o sítio de deposição do sêmen.O glicerol tem sido o crioprotetor mais utilizado em diferentes espécies [15,16,24], incluindo catetos [1,5,23]. Apesar dos efeitos benéficos, ele promove alterações físico-químicas que podem levar a ruptura de membranas celulares ou perda de importantes proteínas [8,12,17]. Em humanos, sugere-se que a centrifugação das amostras associada a re-diluição após descongela- ção reduziria danos espermáticos [22]. Em guepardos, a centrifugação do s

Texto completo